lorena poema
   
 
   
BRASIL, Mulher, French, English
Outro - lorena.martins@gmail.com
 

  Histórico

Outros sites
 caiowas
 caio carmacho
 chacal
 gaiteros
 cep 20.000
 arrudA
 ubuweb
 paula gastaud
 rodel-la
 carpinejar
 gerusa marques
 felipe jornada
 nave vazia
 porto poesia
 letícia verdi
 memórias do sub
 carol luisa
 joão paulo cuenca
 paulo scott
 bruna beber
 hilda magazine
 grace luzzi
 otávio afonso
 leandro de paula
 portal literal
 don't touch my moleskine
 leo lage
 ana guadalupe
 diego grando
 laura erber
 modo de usar & co
 rodrigo de lemos
 ivana arruda leite
 marcelino freire
 dna galerie
 andréa del fuego
 clarissa brittes
 pablo gonçalo
 joca reiners terron
 michel laub
 eduardo muylaert
 fernanda d'umbra
 bruno zeni
 lourenço mutarelli
 índigo
 estevão azevedo




 

 
 

 

REDUNDÂNCIAS

Ter medo da morte
é coisa dos vivos
o morto está livre
de tudo o que é vida

Ter apego ao mundo
é coisa dos vivos
para o morto não há
(não houve)
raios rios risos

E ninguém vive a morte
quer morto quer vivo
mera noção que existe
só enquanto existo

Ferreira Gullar

Goya

 



Escrito por lorena martins às 19h19
[] [envie esta mensagem
] []


 

 
[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]