lorena poema
   
 
   
BRASIL, Mulher, French, English
Outro - lorena.martins@gmail.com
 

  Histórico

Outros sites
 caiowas
 caio carmacho
 chacal
 gaiteros
 cep 20.000
 arrudA
 ubuweb
 paula gastaud
 rodel-la
 carpinejar
 gerusa marques
 felipe jornada
 nave vazia
 porto poesia
 letícia verdi
 memórias do sub
 carol luisa
 joão paulo cuenca
 paulo scott
 bruna beber
 hilda magazine
 grace luzzi
 otávio afonso
 leandro de paula
 portal literal
 don't touch my moleskine
 leo lage
 ana guadalupe
 diego grando
 laura erber
 modo de usar & co
 rodrigo de lemos
 ivana arruda leite
 marcelino freire
 dna galerie
 andréa del fuego
 clarissa brittes
 pablo gonçalo
 joca reiners terron
 michel laub
 eduardo muylaert
 fernanda d'umbra
 bruno zeni
 lourenço mutarelli
 índigo
 estevão azevedo




 

 
 

A Terceira Via

Jonathan me traiu com uma mulher
que não sofreu por ele
um terço do que eu sofri;
uma mulher turista espairecendo na Europa.
Jonathan é bastante tolo.
Estou sem saber se me mudo
para alguém mais ladino,
se espero Jonathan crescer.
Sem desgastar-me, sem gastar um tostão
o moço oferece-me pensamentos diários
com irresistível margem de perigos:
posso ficar tísica,
posso engordar,
posso entender de física,
posso jejuar
produzindo sua imagem na hora mais quente do dia.
Ismália me diz: 'Deus é um tijolo,
está aqui no nariz do meu cachorro.
Eu sou puro pecado'.
E imediatamente come docinho de aletria
com descansada certeza:
'Irei salvar-me porque Deus me ama'.
Não tenho o peito de Ismália
pra chegar perto de Deus.
Por isso fico granindo
e chego perto dos homens,
cheiro a camisa de Pedro,
o travo ingrato de Jonathan.
Todos viram que minha boca secou
quando disse muito prazer e desfaleci na cadeira.
O amor me envergonha.
Da geração da cachaça,
do é ou não é,
do ou casa ou vai pro convento,
não posso ser gay e dizer: depende,
vou ver, vou tratar do seu caso.
Comigo é na pândega
ou na santidade mais rigorosa.
Eu não servia para ter nascido,
para comer com boca, andar com pés
e Ter dentro de mim oito metros de tripas
desejando a filigrana de tua íris
cuja cor não digo para não estragar tudo
e novamente ficar coberta de ridículo.
Sei agora, a duras penas,
porque os santos levitam.
Sem o corpo a alma de um homem não goza.
Por isso Cristo sofreu no corpo a Sua paixão,
adoro Cristo na Cruz.
Meu desejo é atômico,
minha unha é como meu sexo.
Meu pé te deseja, meu nariz.
Meu espírito – que é alento de Deus em mim – te deseja
pra fazer não sei o quê com você.
Não é beijar, nem abraçar, muito menos casar
e ter um monte de filhos.
-   Francisco e o Serafim, abrasados -,
e eu para todo o sempre
olhando, olhando, olhando... 

Adélia Prado

Botticelli



Escrito por lorena martins às 12h16
[] [envie esta mensagem
] []


 

 

Tenho o nome de uma flor

Tenho o nome de uma flor
quando me chamas.
Quando me tocas,
nem eu sei
se sou água, rapariga,
ou algum pomar que atravessei.
 
Eugénio de Andrade

Helena Almeida.



Escrito por lorena martins às 13h13
[] [envie esta mensagem
] []


 

 
[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]